13.4.12

I'm sherlocked


1º temporada
Sherlock da BBC é um seriado.
A cada temporada somente 3 capítulos, com o tempo de uma longa metragem de mais de uma hora.
Eu estou adorando acompanhar a saga "atual" do que seria o Sr. Sherlock Holmes e o Dr. John Watson nos tempos de celular, notebook, blogs...
Benedict Cumberbatch, ator com um pouco mais de 10 anos de atuação, o vimos em filmes como As Irmãs Bolena e Desejo e Reparação, fazendo pontas e outros filmes como o que viveu o papel do físico Steven Hawkins.
Nesse seriado nos mostra um Sherlock como um auto declarado sociopata.
Ególatra, insensível ao que os humanos normais poderiam definir, nos faz ama-lo mesmo sendo do jeito que é...
Martin Freeman , também com uma carreira de pouco mais de 10 anos, mostra um Dr. Watson que está tentando se encontrar na sua nova vida de civil. Se permitindo deixar ser conduzido pelos tempestivos modos de ser do surpreendente novo colega de apartamento. Porém, sendo o contra ponto desse genialidade, do pragmatismo visceral que norteia a vida de Sherlock Holmes.
Acho interessante a pitada de dubialidade que os personagens a volta deles, mencionam sem comediçoes. Acreditam que eles são um casal!

Sim ele são soulmates (almas gêmeas) que está além da relação carnal, é uma amizade para mil anos ou a eternidade.  Assim como é a amizade entre Frodo e Sam (LOTR), assim é , entre Sherlock e Watson.

Para minha surpreza bem agradável descobri que a série trabalha com o universo expandido, e então podemos encontrar na vida real (e alimentado pela BBC) tanto o site do Sr. Sherlock Holmes o  Ciência da Dedução como o blog do Dr. Watson.

Não vou falar mais, tem bastante gente já falando e o melhor mesmo é conferir.
Eu sou suspeita afinal...

14.8.11

O Turista


Sabe aqueles filmes que ao terminar já dá vontade de ver de novo? Que dá vontade que de fato aqueles personagens existissem e que você um dia poderia conhecê-los?
Para mim foi essa a sensação ao assistir  O Turista.
O grande público se decepcionou. Ver duas megas estrelas juntas Jolie e Depp só podia dar em um ritmo muito quente e acelerado...Não...não foi bem assim.
É aquela coisa, você tem que saber qual a intenção do diretor. Tanto que indico que vejam primeiro os extras para poder entender. E tenho certeza que a vontade de ver o resultado vai ser grande e não haverá decepções.
Pra quem viu muitos filmes dos anos 50 que digamos, eram meio paradões, com closes intermináveis na estrela da vez, não vai achar o filme chato, mas algo como uma homenagem aos filmes desse estilo.
O enredo é sobre uma mulher belíssima², sim ao quadrado, que está sendo seguida e até parece se divertir com isso. Recebe uma carta de alguém que fez parte de seu passado e parece que deu motivos a ela, para não querer vê-lo mais. 
cena no caffé, com as câmeras atrás
A carta dá orientações para seguir da França para Venice e como todos sabem que ela tem seus passos seguidos minuto a minuto, ela se aproxima de um homem que tenha o tamanho do remetente da carta, dando a pensar que se trata dele. 


O homem, claro, se vê encantado com toda a beleza, mistério e über charme da mulher inglesa com olhos verde esmeralda. 
Muito luxo, requinte, vestidos e jóias belíssimas compõe o visual da bela Elise Ward.



 Mas o filme tem ritmo sim, a Elise é muito esperta para poder tirar o seu apaixonado da encrenca que se mete por causa dela. 

E no final tem um vilão inglês meio russo atrás do Alexander Pierce, o tal da carta. E a Interpol também, que nos presenteia com um momento bem eletrizante causado pelo policial com dor-eterna-de-cotovelo.
A trilha sonora é uma pérola! Composta por James Newton Howard que nos dá um toque de romantismo, ao mesmo tempo que podemos perceber um toque de música eletrônica francesa, nos lembrando que estamos em plano século XXI e não nos idos do XX nos anos 50.
Trilha sonora é um elemento crucial como pano de fundo e mesmo "moldura" de um filme. O Turista, se você não achar motivo em gostar dele pelo enredo ou pela beleza da Angelina Jolie (que não aparece totalmente nua nesse filme..rsr), pode encontrar motivo, no cenário, nas roupas maravilhosas, na trilha sonora...em saber quem é o turista de fato...

25.4.11

Casa Comigo / Leap Year


Sabe aqueles filmes que você vai tomando partido, querendo que o fim seja como você vai construindo, fica cheia de suspiros pensando num amor-romântico e torce para que tudo dê certo ( o seu "certo"...cof...cof...cof) ?
Assim foi como me senti assistindo Casa Comigo com a lindinha Amy Adams. 
A história é a seguinte: jovem de sucesso na área de decoração com namoro fixo e duradouro (4 anos) com um talentoso cardiologista e prestes a comprarem um apartamento, (daqueles, onde avaliam até seu DNA, para então decidirem vender - o nem um pouco barato imóvel), decidida a ver sua união oficializada. Decide aproveitar a tradição onde as namoradas podem pedir a mão do rapaz na cidade de Dublin, onde o namorado está num congresso. Porém pelo capricho da vida ela não consegue chegar no vôo direto para em Dublin. Acaba, numa tentativa de contornar as interpéries, num vilarejo a algumas horas da cidade de destino. E vai se defrontar com um universo bem diferente do seu de metrópole, de vida agitada, de valores pautados em status, de fama e dinheiro. Conhece um rapaz local,turrão, meio grosso, mas com um senso de humor e calma invejável. Além, claro, atrás daquela barba mal feita, um homem lindo! O filme vai se desenrolando mostrando o campo dos arredores de Dublin, com seu folclóre, que não é muto diferente do que eu vejo no interior do Ceará,onde moro. Muito mito sobre o que fazer,no dia certo, no dia em que não dá certo. Senti que Dublin não é muito longe daqui. Inclusive com o "o toque" do violino na festa de casamento (por onde o casal passa) que me fez lembrar as festas juninas. E a personagem vai percebendo que a vida pode ser mais simples e mais rica também se tiver ao seu lado um amor de verdade para chamar de seu!

Quantas estrelinhas dou para esse filme? de 0 a 5, dou 6!

14.7.10

Poder e Traição


Achei bem interessante poder ver o outro lado da questão, de saber como foi o lado da Mary da Escócia, mas...por já ter assistido Elizabeth e Elizabeth – A Era de Ouro e após ter incursionado mais na história desse período na Inglaterra (via wikipedia), me senti roubada! Mas até onde, efetivamente o filme Poder e Traição é honesto? Quem souber me conte please!

7.7.10


Já faz um tempinho que foi exibido esse filme, e toda expectativa de fim de mundo já se acalmou nas pessoas. Até esqueceram e alguns talvez até digam:”aquilo é ficção”. Sendo ficção ou não sei que me emocionou. Eu o assisti sozinha em casa e teve parte que me fez chorar. Porque seja por atividades no sol ou por “alguém apertar o botão” aquilo vai acontecer sim, em maior ou menor escala o caos será daquele jeito. Onde você não vai poder ajudar ninguém, porque você já estará tentando se ajudar. E além de outras coisas como cada um salvando sua pele, o que mais mostrou? Que se você tiver muito dinheiro você estará salvo!Contrariando o que as religiões pregam sobre desprendimento material.Hahahahaha



A cena que me arrepiou foi do tsumani bem maior que o monte Everest!!! E não pude deixar de pensar na situação ende você quase ao pés do Cristo Redentor, alí numa "lagoa". O filme aborda muitas questões, cada um fez(fará) sua leitura), mas com certeza quando isso acontecer nós sentiremos saudades do medo em estado seguro que sentimos ao ver o filme.


Não sei se será em 21 de dezembro de 2012. Mas acho que alguma coisa vai acontecer sim.


Bom em junho deve ser o mês da minha formatura na faculdade e estou já iniciei as pesquisas para meu mestrado. Se o que acontecer não impedir que a ”vida continue” estarei firme e forte convencendo a banca que mereço fazer o mestrado.

30.9.09

Presságio


Eram por volta das 22 horas de ontem quando fui á casa da minha mãe(ela é minha vizinha) e meu o irmão e o meu filho tinham começado a assistir um filme, Presságio com Nicholas Cage. http://www.grupoparisfilmes.com.br/Cinema.aspx?v=2&id=335
Estava com sono, mas, os primeiros segundos vendo o filme...resolvi:"Vou assistir"
O Nicholas(John) é um professor de astrofísica que tem por destino cair em suas mãos uma das cartas que foram feitas há 50 anos atrás. Uma sequência de números preenchendo uma folha inteira. Para qualquer um mero mortal não faria nenhum sentido, mas o professor que basicamente trabalha com número e por isso "vê" números, logo percebe uma data, de uma tragédia...A partir daí fica a busca desesperada para entender mais sobre aqueles presságios,quem o teve, para quê e principalmente porque ele foi o escolhido para saber daquilo tudo.
O filme tem muito a cara dos filme do M.Night Shyamalan e muita semelhança com Sinais, desse mesmo diretor. Um pai viúvo,que tem uma relação muito protetora e amiga com o filho. E tão cético como o padre feito pelo Mel Gibson. Tem mais semelhanças...
O enredo todo é para falar do tema discutido em várias religiões sobre o fim do planeta e o propósito real da co-existência do ser humano/planeta Terra.
O diretor consegue manter um suspense e a situação dúbia das criaturas que rondam o garoto Caleb - filho do professor John.
São vilões? o que querem?como conseguem se comunicar com o garoto Caleb que já porta uma leve dificuldade auditiva? são góticos? são de alguma sociedade secreta? Até que,uma ato de defesa totalmente pacifista faz-nos entender quem são eles!

Esse filme,tem muitas mensagens, algumas sutis outras que dão uma chacoalhada na gente.
Me emocionei quando mais uma semelhança, agora com o filme Cocoon (dei uma bela dica) vimos a escolha de alguns e a forma de energia de quem veio fazer a coleta!

Eu como mãe...naquela situação, serenamente teria aceitado meu destino e ficado muito feliz pelo destino dos meus filhos!!!
E você?
Ah! as seqüências de ação são do balacobaco!

Ah! terminado o filme, fizemos um lanchinho rápido e engatamos na segunda sessão já as 00:50 de hoje e as 3:00 fomos dormir.
Acordei antes do despertador tocar,me sentia um poucoquinho sonolenta, mas bem descansada por somente 3 horas de sono

15.9.09

Dobradinha da Keira Knightly

Comecei bem,com essa dobradinha da Keira e por coincidência, os dois filmes passam na mesmo lugar:Devonshire.
No Pride and Prejudice ela é uma simples camponesa e no The Duchess, se dá bem e casa-se com o duque local e tem uma vida bemmmm confortável (fale com o sotaque do Fábio Arruda).



Me identifiquei demais com a mocinha do filme que manda para cucuias as obrigações de salvar a família e se nega a casar com um nóia de pedra. Por conta do filme abaixo que ví primeiro,fiquei pensando quando que aconteceu das regras das filhas terem que se casar com quem os pais indicassem começou a mudar. Bom ao menos nesse filme o pai da Lizzie é quem toma essa atitude,naquela época.
Nos dois filmes a temática maior é: se você é mulher CASE-SE ou CASE-SE!




Já em A Duquesa, ela abre mão de viver um grande amor em nome de ficar perto dos filhos.
Esse segundo filme me fez pensar muuuito.
No que as mulheres eram submetidas para poderem terem um teto e um prato de comida.No caso da duquesa,viagens, status na sociedade onde ela ditava moda e era ouvida nos palanques políticos, isso mesmo sendo mulher e política não seria o forte delas.
Era uma época onde o homem podia surrar a mulher,sim!! mas haviam condições a serem "respeitadas" :que a vara fosse mais fina que um dedo!
A frieza com era tratada pelo marido, tomada como esposa apenas para lhe dar um herdeiro oficial, nada mais, fez com que a duquesa procurasse refúgio em outros braços.
A história que é baseada em fatos reais ocorrido no século 18 é bem atual.Uma mulher como muitas de hoje. Que entra num casamento achando ter encontrando o seu grande amor, mas o amor tem leituras diferentes...
Naquela época nao se conversava muito...
Mas e hoje? Conversasse só o que pode manter o caminho seguro para o altar?

(volto mais tarde para terminar esse post...tem mais coisa na cabeça para por aqui)

18/09/09 - Voltei!
E como foi indicado pela amiga Nancy, assisti Desejo e Reparação.

Ambientado no começo do século passado mostra como um capricho de uma adolescente pode mudar o destino de um casal em início de romance. Não só o destino do romance mas do jovem que além de ser preso, para se livrar do cárcere se alista para combater na 2ª guerra!



Fotografia encantadora com cenário bem iluminado e em outros momentos um uso do jogo luz/sombra que endossa o momento na tela. Outra situação que me chamou a atenção foi a direção do filme mostrando cenas ora retratada pela ótica de algum personagem e depois como de fato aconteceu. Me surpreendi com a quebra que há na narrativa do filme quando nos remetem ao presente. Singular a simplicidade e emoção da atriz Vanessa Redgraves. Alguém duvida? Quem a conhece...

A carinha de anjo maldito da adolescente que modifica a vida dos personagens da trama é inquietante. Alí pude ver quanto "anjinhos" em seu desabrochar para os sentimentos da carne, manipularam com grandiosa vingança quando nem sabiam se queriam casar ou comprar uma bicicleta!!!
Não é filme com final feliz, apesar da "autora" num ato de "reparação"...
Chorei!

 

Featured